Como conhecer o seu público nas mídias sociais?

Como conhecer o seu público nas mídias sociais?

 

Essa é uma pergunta que me faço no meu dia a dia de trabalho, já que os “interesses” dos usuários de mídias sociais nem sempre representam a realidade. Uma pessoa diz que gosta de viajar (assim como toda a humanidade!), mas de fato viaja uma vez a cada dois anos. Vira um desafio vender um pacotinho voo+hospedagem para esse cliente “em potencial” que, na verdade, não é um viajante “de carteirinha”.

Além disso, toda empresa quer ser vista nas mídias sociais, mas o espaço está cada vez mais concorrido. A mais recente mudança no algoritmo do Facebook e a saída da Folha de S. Paulo da plataforma colocaram na berlinda, novamente, o pobre do conteúdo. É bem-feito? É apropriado? Enfim…

O que acontece é que o Facebook mudou a forma como o alcance orgânico é contabilizado – não basta que o post apareça na timeline do usuário, ele precisa de fato vê-lo para ser “alcançado”. Daí, o alcance parece ter caído. Mas, se isso te consola, está todo mundo no mesmo barco.

Que o alcance parece menor, já sabemos. Em relação ao engajamento, fica cada vez mais claro que o sucesso de um post não depende apenas da qualidade do conteúdo. A pergunta chave é: este conteúdo agrada o seu público? Portanto, é muito importante conhecê-lo.

E daí voltamos à questão que abre este post – como fazer isso? Uma maneira de entender a real necessidade do seu público é conversando com ele (coisas óbvias, mas que a gente, no atropelo diário, não faz). As conversas inbox podem gerar insights interessantes, pois é ali, na comunicação um-pra-um, que o seu cliente diz umas certas verdades – exemplo: que precisa de uma opção barata de viagem, que vai parcelar em mil vezes etc. Para os “amigos”, ele vai postar apenas os melhores momentos da tal viagem, como se estivesse nadando em dinheiro.

Portanto, companheirxs, não se iludam com as aparências.

Outra questão – o que o seu público quer/precisa é diferente do que ele quer ver na timeline. Ele pode estar buscando apenas entretenimento quando acessa o Facebook – memes, piadas, vídeos engraçadinhos… Naquela onda “se eu quiser notícia da minha tia, vou à casa dela, e não ao Facebook”. Aí fica complexo, né?

Quem tiver a receita do bolo, compartilha que eu curto \o/ Na real, acho que ninguém tem… Então o lance é testar formatos, avaliar periodicamente cada um deles, analisar como a sua audiência reage e, a partir das conversas, acertar o tom da comunicação ao longo do tempo.

Um dia meu pai lançou a pergunta: “gente é gente?” Ficou na minha cabeça. Gente é complicada, ele quis dizer. Então vamo que vamo, caminhando e tentando entender os comportamentos, com uma pitada de ciência e outra de paciência!

 

Roberta da Purificação

[Mídias Sociais]

Postado em 02/03/2018